QUANDO FIZ UM ENSAIO NU

11 de mai de 2016
Eu lembro como se fosse ontem o dia em que cheguei na escola, época de ensino fundamental ainda, e recebi a notícia de que meu melhor amigo havia sido morto. E não tem sensação mais aterrorizante do que essa: a de você não saber o que fazer. Literalmente. Não é como esquecer o aniversário de alguém querido ou ser assaltado mais uma vez. Não é algo que te deixe sem chão por um tempo e depois passe. É algo que marca você para sempre. Você perdeu. E perder ainda é uma droga. Não há otimismo aqui. Foi uma bala perdida que o levou e até hoje eu imagino como minha vida seria se ele ainda fosse alguém que eu tivesse aqui comigo. É tão assustador parar e pensar no tanto de coisa que poderia ser diferente se alguém sumisse ou nunca tivesse existido em toda a sua caminhada até aqui. Em toda a minha caminhada até esses 21 anos de meu deus.

Isso me veio à cabeça por um trabalho da faculdade. Estou oficialmente de férias e meu último esforço foi apresentar uma criação estética. Fiz um ensaio fotográfico nu com a ajuda de uma amiga e nele criticamos os modernos relacionamentos, esses que nos levam a uma mesa de bar com um mundaréu de gente para nos sentirmos sozinhos. É péssimo estar com alguém que interaja mais com quem está do outro lado da tela do celular do que com você, que está ali, tão perto. Coxa com coxa. Querendo um olho no olho. No registro que produzimos tiramos um casal do caos urbano e os levamos para um paraíso à beira-mar. Lá na praia do Francês, onde eles deveriam perceber a natureza e dividi-la como pessoas que estão livres, os celulares foram a principal atração.

O que eu quero dizer é que ando valorizando as pessoas desde o dia em que perdi uma. Desde a tarde em que eu senti que a gente não é muita coisa além de poeira. Poxa, nem 13 anos eu tinha. No fundo da minha consciência eu sei o quanto já estive com um celular em mãos enquanto conversava com alguém, mas também sei que isso nunca me impediu de estar presente de verdade. De tentar dizer a coisa certa, de ouvir com o coração e guardar o aparelho para dar um abraço. Juro. E eu digo isso porque não tem nada melhor que demonstrar interesse no outro. No que o outro diz e não diz. Sabe aquele silêncio, o segundo que parece não querer ser preenchido com palavra, selfie ou publicação alguma? É uma brecha. Uma desculpa para um abraço e um beijo. Eu adoraria que todas as desculpas fosse assim. Sem arrependimentos embutidos.

Não gosto de lembrar do dia em que pedi desculpa a deus por não ter estado mais presente na vida do meu melhor amigo. Não gosto. Eu não pude me despedir. Se é que existe alguma forma de fazer isso certo. Naquela época a internet não era o que é hoje, mas a força que ela tem agora não substitui absolutamente nada que eu possa fazer sentindo o cheiro. Não gosto de quando falta o tato.

Um comentário:

  1. realmente é triste Felipe! perder quem se ama é doloroso e aflitante, uma angustia diária
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

Resenhas

Alien - Alan Dean Foster
A tripulação da nave Nostromo é despertada antes do tempo de seu sono criogênico. Misteriosos sinais vindos dos confins do espaço são recebidos pelo computador de bordo, e a equipe é acionada para...
Star Wars: Um Novo Amanhecer - John Jackson Miller
Desde os terríveis acontecimentos em STAR WARS - Episódio III: A vingança dos Sith, quando todos os Jedi foram perseguidos e condenados à morte, Kanan Jarrus tem...
Eu, Robô - Isaac Asimov
Eu, robô reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela...
Nosferatu - Joe Hill
ictoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...

RESENHAS MAIS LIDAS

LEIA MAIS

Resenhas

Só por Hoje e para Sempre - Renato Russo
Entre abril e maio de 1993, Renato Russo passou vinte e nove dias internado numa clínica de reabilitação para dependentes químicos no Rio de Janeiro. Durante...
Espinho de Prata - Raymond E. Feist
Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, o mais jovem...
Roleta Russa - Jason Matthews
Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de...
A Desconhecida - Peter Swanson
Uma história sombria, em uma atmosfera romântica e um quê de Hitchcock, sobre um homem que fora arrastado para uma trama irresistível de paixão e assassinato quando um antigo amor reaparece em uma noite de...

MAIS LIDAS

LEIA MAIS