QUANDO SÓ DEPENDE DE MIM

7 de mai de 2016
Ontem fui ver Marcelo Jeneci no Teatro Deodoro, aqui em Maceió. Foi o primeiro show que fui sozinho em toda a minha vida. Eu realmente cheguei a cogitar não ir por falta de companhia, mas me lembrei de algo que me cobro desde que me sinto um tanto que mais independente: ser de fato independente. Pelo menos em alguns aspectos.

Tenho grande admiração por quem consegue fazer as coisas sozinho. De verdade. Parabéns pra quem consegue ir ao cinema desacompanhado assistir aquele filme que ninguém mais quer ver, parabéns pra quem consegue fazer compras sem precisar de uma segunda opinião, parabéns pra quem vai à excursões sozinho por se amarrar numa aventura e não ter amigos que topem encarar uma trilha. Mesmo que no final uma cachoeira o espere. Parabéns mesmo. Não é triste, é adulto. E ser adulto não precisa ter um sinônimo ruim. Eu ainda estou me acostumando com essa ideia, mas pensar positivo ainda é uma das melhores coisas que faço por mim mesmo. Tem coisa mais libertadora que não depender de ninguém pelo mínimo que seja?

Mas aqui é que o bicho pega. Cheguei a conclusão de que viver é um grande ciclo de dependências. E nossa senhora como eu odeio depender, principalmente das pessoas. Odeio depender de ligações, mensagens de texto, de música, livros e do transporte público. Odeio depender do banco, da assistência técnica, das companhias aéreas e do bendito bolo de rolo que me deixa feliz quando estou estressado. Odeio e adoro depender de um ombro amigo, de um abraço apertado e de alguém que me diga que eu não estou sozinho quando na verdade estar sozinho e bem era o que eu mais queria no mundo todo.

Não há saída. A gente se engana e vai levando assim, tentando resolver tudo sozinho até que o problema empaca por precisar do externo para se resolver. Do próximo, de quem está do lado, do setor responsável, do superior. É por isso que eu corro atrás e faço a minha parte. É um prazer genuíno riscar mais uma coisinha da sua lista de afazeres, desejos e missões impossíveis. Tudo bem ir atrás de ajuda, tudo bem acionar o colega, a mãe, a Tim, mas eu me recuso a não seguir em frente quando só depende de mim.

E o show do Marcelo Jeneci foi lindo. Ele estava sozinho no palco e foi encantador. Mais um argumento, ein? Algumas daquelas canções foram feitas para menino Felipe. Não pude não chorar. O teatro estava lotado e o público tão afiado. Eu senti um arrepio coletivo quando ele cantou Amado, música composta em parceria com Vanessa da Mata. Também apresentou inéditas de um terceiro cd que nem começou a ser gravado. Foi um privilégio. Ainda bem que eu tive coragem. A noite foi ótima.

Um comentário:

  1. Oi Felipe, eu me identifiquei e muito com você, eu tenho essa dificuldade de fazer coisas sozinha, sou muito insegura na hora de comprar, na hora de passear, tenho mil desejos, mas em alguns momentos travo, sei que isso deve ser trabalhado, afinal é a minha vida e devo vivê-la, com ou sem companhia

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

Resenhas

Alien - Alan Dean Foster
A tripulação da nave Nostromo é despertada antes do tempo de seu sono criogênico. Misteriosos sinais vindos dos confins do espaço são recebidos pelo computador de bordo, e a equipe é acionada para...
Star Wars: Um Novo Amanhecer - John Jackson Miller
Desde os terríveis acontecimentos em STAR WARS - Episódio III: A vingança dos Sith, quando todos os Jedi foram perseguidos e condenados à morte, Kanan Jarrus tem...
Eu, Robô - Isaac Asimov
Eu, robô reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela...
Nosferatu - Joe Hill
ictoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...

RESENHAS MAIS ANTIGAS

LEIA MAIS

Resenhas

Só por Hoje e para Sempre - Renato Russo
Entre abril e maio de 1993, Renato Russo passou vinte e nove dias internado numa clínica de reabilitação para dependentes químicos no Rio de Janeiro. Durante...
Espinho de Prata - Raymond E. Feist
Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, o mais jovem...
Roleta Russa - Jason Matthews
Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de...
A Desconhecida - Peter Swanson
Uma história sombria, em uma atmosfera romântica e um quê de Hitchcock, sobre um homem que fora arrastado para uma trama irresistível de paixão e assassinato quando um antigo amor reaparece em uma noite de...

MAIS LIDAS

LEIA MAIS