QUANDO SÓ DEPENDE DE MIM

7 de mai de 2016
Ontem fui ver Marcelo Jeneci no Teatro Deodoro, aqui em Maceió. Foi o primeiro show que fui sozinho em toda a minha vida. Eu realmente cheguei a cogitar não ir por falta de companhia, mas me lembrei de algo que me cobro desde que me sinto um tanto que mais independente: ser de fato independente. Pelo menos em alguns aspectos.

Tenho grande admiração por quem consegue fazer as coisas sozinho. De verdade. Parabéns pra quem consegue ir ao cinema desacompanhado assistir aquele filme que ninguém mais quer ver, parabéns pra quem consegue fazer compras sem precisar de uma segunda opinião, parabéns pra quem vai à excursões sozinho por se amarrar numa aventura e não ter amigos que topem encarar uma trilha. Mesmo que no final uma cachoeira o espere. Parabéns mesmo. Não é triste, é adulto. E ser adulto não precisa ter um sinônimo ruim. Eu ainda estou me acostumando com essa ideia, mas pensar positivo ainda é uma das melhores coisas que faço por mim mesmo. Tem coisa mais libertadora que não depender de ninguém pelo mínimo que seja?

Mas aqui é que o bicho pega. Cheguei a conclusão de que viver é um grande ciclo de dependências. E nossa senhora como eu odeio depender, principalmente das pessoas. Odeio depender de ligações, mensagens de texto, de música, livros e do transporte público. Odeio depender do banco, da assistência técnica, das companhias aéreas e do bendito bolo de rolo que me deixa feliz quando estou estressado. Odeio e adoro depender de um ombro amigo, de um abraço apertado e de alguém que me diga que eu não estou sozinho quando na verdade estar sozinho e bem era o que eu mais queria no mundo todo.

Não há saída. A gente se engana e vai levando assim, tentando resolver tudo sozinho até que o problema empaca por precisar do externo para se resolver. Do próximo, de quem está do lado, do setor responsável, do superior. É por isso que eu corro atrás e faço a minha parte. É um prazer genuíno riscar mais uma coisinha da sua lista de afazeres, desejos e missões impossíveis. Tudo bem ir atrás de ajuda, tudo bem acionar o colega, a mãe, a Tim, mas eu me recuso a não seguir em frente quando só depende de mim.

E o show do Marcelo Jeneci foi lindo. Ele estava sozinho no palco e foi encantador. Mais um argumento, ein? Algumas daquelas canções foram feitas para menino Felipe. Não pude não chorar. O teatro estava lotado e o público tão afiado. Eu senti um arrepio coletivo quando ele cantou Amado, música composta em parceria com Vanessa da Mata. Também apresentou inéditas de um terceiro cd que nem começou a ser gravado. Foi um privilégio. Ainda bem que eu tive coragem. A noite foi ótima.

Um comentário:

  1. Oi Felipe, eu me identifiquei e muito com você, eu tenho essa dificuldade de fazer coisas sozinha, sou muito insegura na hora de comprar, na hora de passear, tenho mil desejos, mas em alguns momentos travo, sei que isso deve ser trabalhado, afinal é a minha vida e devo vivê-la, com ou sem companhia

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

TERROR

Jantar Secreto - Raphael Montes
Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de...
Jogos Macabros - R. L. Stine
Conhecido mundialmente por seus livros de terror e suspense, com centenas de milhões de exemplares vendidos, R. L. Stine desponta no cenário da ficção juvenil pela genialidade na criação de enredos sinistros...
Psicose - Robert Bloch
O clássico de Robert Bloch, foi publicado originalmente em 1959, livremente inspirado no caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein. O livro teve dois lançamentos no Brasil, em 1959 e 1964...
Nosferatu - Joe Hill
Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...
O Vale dos Mortos - Rodrigo De Oliveira
Com passagens por Brasília, Estados Unidos, China e França, O Vale dos Mortos baseia-se na profecia de que um planeta intruso ao sistema solar, ao raspar por nossa...

FANTASIA/ POLICIAL

LEIA MAIS

ESPECIAIS ♥

Juntando os Pedaços - Jennifer Niven
Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar...
O Livro de Memórias - Lara Avery
Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível.E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença...
Simon vs. a agenda Homo Sapiens - Becky Albertalli
Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da...
Quando finalmente voltará a ser como nunca foi - Joachim Meyerhoff
Isso é normal? Crescer entre centenas de pessoas com deficiência física e mental, como o filho mais novo do diretor de um hospital...
Eu Te Darei o Sol - Jandy Nelson
Noah e Jude competem pela afeição dos pais, pela atenção do garoto que acabou de se mudar para o bairro e por uma vaga na melhor escola de arte da Califórnia...

POLICIAL

LEIA MAIS