QUANDO É HALLOWEEN DENTRO DA GENTE

9 de nov de 2016
Foi minha avó quem me incentivou a escrever. Quando eu era criança meus presentes prediletos não eram os carrinhos que eu ganhava, muito menos as bonecas da minha irmã que eu brincava escondido. Lápis e papel sempre foram meus tesouros. Nada me dava mais prazer que sentir o cheirinho de papel novo, um gosto estranho que culminou na minha paixão pela leitura e nesse blog que cultivo há mais de 6 anos. Minha avó pedia para eu escrever sobre mim. Ela nunca quis que eu inventasse histórias ou personagens. E hoje quando paro e penso nisso um sentimento de gratidão me invade porque foi escrevendo sobre mim que eu me entendi por completo e tão cedo. Não tem nada mais gostoso que se conhecer. Te faz forte. Te prepara para um mundo onde todos acham que conhecem alguém por seguir esse alguém em redes sociais. Te prepara para um mundo onde preconceito se disfarça de opinião e ter uma virou modinha.

Me preparou para um mundo onde eu tive que aprender a me ouvir. E essa será a minha eterna reclamação: as pessoas não sabem ouvir. Elas tem pressa. Elas querem compartilhar suas histórias, aventuras e problemas, mas no fundo, lá no fundo, não querem saber sua opinião. Não querem. Eu também não quero. Às vezes dói. Às vezes dizem a verdade e eu quero ter a liberdade de fazer o que eu quiser sobre o que eu quiser independente de julgarem ser o fim do mundo. E eu posso. Você também pode. O fim do mundo é a droga de uma história de amor (?) mal resolvida, é a droga de uma fatura atrasada e a droga dos quilos a mais na balança. O fim do mundo é a palma da minha mão que eu não conheço tão bem, mas domino. E com ela eu reconstruo tudo e despedaço. E convido alguém à segurá-la. Não por mim, mas comigo.

É aquele velho dilema de por na prática os conselhos que você dá. Porque conselho é algo prazeroso de distribuir. É halloween. É a gente exercendo todo nosso poder de síntese e autocontrole quando na verdade nada daquilo que é dito é levado a sério pela gente. Sei bem disso. Seguir em frente é complicado mesmo. Mas eu nunca parei, apesar de adorar olhar para trás. É que eu olho com carinho. Eu avalio e esqueço, meio sem querer. Deixo para lá. Desejo o bem, espero o bem. Não consigo guardar mágoa. É uma droga. Queria conseguir acumular a raiva de uma jamanta defendendo os filhotes de satanás, mas se esvai de mim. É coisa de tempo. A gente acha que já superou, que nunca importou, mas no primeiro open bar vem a verdade. Cerveja é a peste. Bate um arrependimento, uma ressaca. Uma vontade de mais. Mais o quê? Já foi.

Eu já fui uma criança que torrava todo e qualquer dinheiro que ganhava com chiclete e salgadinho. Perdi um ano da minha vida internado com infecção no estômago e cinco da minha adolescência usando todos os tipos de aparelho nos dentes. Eu já fui o garoto levando refrigerante para as festas que as meninas levavam os salgadinhos e hoje sou uma espécie de adulto (?) que presenteia com um espremedor de laranja branco uma amiga que está montando uma cozinha com utensílios pretos. Talvez a minha avó só quisesse me ver calado e quieto enquanto eu escrevia. Talvez ela só quisesse paz. A paz que eu tenho hoje quando paro e penso que posso tomar atitudes por mim. Boas ou ruins. As explicitamente boas e as corajosamente ruins, mas necessárias. Às vezes acho que não sei de nada.

2 comentários:

  1. Anônimo22:43

    A forma que você escreve é tão linda quanto e como você.

    ResponderExcluir

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

TERROR

Jantar Secreto - Raphael Montes
Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de...
Jogos Macabros - R. L. Stine
Conhecido mundialmente por seus livros de terror e suspense, com centenas de milhões de exemplares vendidos, R. L. Stine desponta no cenário da ficção juvenil pela genialidade na criação de enredos sinistros...
Psicose - Robert Bloch
O clássico de Robert Bloch, foi publicado originalmente em 1959, livremente inspirado no caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein. O livro teve dois lançamentos no Brasil, em 1959 e 1964...
Nosferatu - Joe Hill
Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...
O Vale dos Mortos - Rodrigo De Oliveira
Com passagens por Brasília, Estados Unidos, China e França, O Vale dos Mortos baseia-se na profecia de que um planeta intruso ao sistema solar, ao raspar por nossa...

FANTASIA/ POLICIAL

LEIA MAIS

ESPECIAIS ♥

Juntando os Pedaços - Jennifer Niven
Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar...
O Livro de Memórias - Lara Avery
Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível.E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença...
Simon vs. a agenda Homo Sapiens - Becky Albertalli
Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da...
Quando finalmente voltará a ser como nunca foi - Joachim Meyerhoff
Isso é normal? Crescer entre centenas de pessoas com deficiência física e mental, como o filho mais novo do diretor de um hospital...
Eu Te Darei o Sol - Jandy Nelson
Noah e Jude competem pela afeição dos pais, pela atenção do garoto que acabou de se mudar para o bairro e por uma vaga na melhor escola de arte da Califórnia...

POLICIAL

LEIA MAIS