[Resenha] Pollyanna - Eleanor H. Porter

18 de set de 2013
Pollyanna - Eleanor H. Porter
Editora: Companhia Editora Nacional
ISBN: 8504009653
Ano: 2005
Páginas: 183
Classificação: 
Página do livro no Skoob
A pequena Beldingsville, uma típica cidadezinha do início do século XX na Nova Inglaterra, Estados Unidos, nunca mais seria a mesma depois da chegada de Pollyanna, uma órfã de 11 anos que vai morar com a tia, a irascível e angustiada Polly Harrington. Por influência da menina, de uma hora para outras tudo começa a mudar no lugar. Tia Polly aos poucos torna-se uma pessoa melhor, mais amável, e o mesmo acontece com praticamente todos os que conhecem a garota e seu incrível "Jogo do Contente". Uma otimista incurável, Pollyana não aceita desculpas para a infelicidade e emprenha-se de corpo e alma em ensinar às pessoas o caminho de superar a tristeza.
Resenha por Priscylla Ávilla:
Quero ensinar a vocês uma brincadeira que aprendi durante a leitura de um dos maiores clássicos da literatura infanto-juvenil. Você seria capaz de ficar contente com absolutamente tudo que te acontecesse? É uma tarefa difícil, bem complicada na verdade. Ver o lado bom de tudo na vida, das coisas ruins... que poderiam ser piores, das tragédias... que poderiam ser fatais, de uma doença... que poderia não ter cura. Mas há uma linha tênue entre aceitar tudo que é recebido sem importar-se e buscar o melhor sem cômodos conformismos, não é verdade? Essa brincadeira é questionável mas válida.

Pollyanna aprendera o "Jogo do Contente" com seu falecido pai, o jogo consiste em encontrar em tudo qualquer motivo para ficar alegre, seja lá o que for. As vezes ele pode ser duro de roer, como fora na vez em que Pollyanna se vira orfã e vivendo com as senhoras da Sociedade Beneficiente, ela sentira falta de se pai... Mas lamentar-se não o traria de volta, ela deveria sentir-se sortuda  por estar viva! Sortuda por não estar só,  por sua tia Miss Polly, a senhora mais rica da cidade de Beldingsville, aceita-la em sua casa! Miss Polly é uma mulher amarga, solitária e de temperamento difícil. Há boatos de que alguém um dia já  a amara mas é impossível acreditar que alguém se apaixonasse por semelhante criatura. O término do relacionamento pode estar ligado a suas atitudes tão rígidas e frias.

"- Tristeza, sim. A senhora sabe, se a senhora tivesse ficado alguma vez louca de alegria, teria betido mil portas; se não bateu nenhuma é porque nunca ficou realmente alegre. Quem sente uma grande alegria não pode deixar de bater todas as portas. Por isso fico triste... de saber que a senhora nunca bateu portas! " Trecho da página 64, Pollyana para Miss Polly.

A partir do momento que Pollyanna chega a cidade, uma onda de mudanças envolve todos os seus habitantes descrentes na vida, senhoras inválidas recolhidas em seus próprios mundos, senhores carrancudos e solitários por decepções amorosas... órfãos moradores de rua e homens de fé sem convicção em suas missões. Todos que chegam a conhecer a moça de sardas consegue enxergar um novo sentido na vida, a menina fará o sorriso algo comum, algo fácil. Até Miss Polly que tenta insistir em suas negativas acaba desenvolvendo uma espécie de incapacidade em resistir ao ânimo de Pollyanna. As lindezas que li foram verdadeiras lições de perseverança, é quase impossível não amar essa criança extraordinária. Meu coração partiu-se quando Pollyanna fraquejou no próprio jogo diante de uma dolorosa tragédia nos capítulos finais. Apesar de simples a escrita é peculiar, cheia de "quererá". O livro foi escrito em 1912 e desde então nunca parou de ser lido, traduzido para  muitas línguas. Tornou-se um clássico favorito por ser tão marcante e encantador.

11 comentários:

  1. Não conhecia esse livro ainda, mas to super curioso pra ler agora!
    E interessante esse "Jogo do Contente", meio complicado, mas legal! kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que ter muita força de vontade, viu? Não tenho paciência kkk

      Excluir
  2. Legal esse "Jogo do Contente" haha.
    Eu consigo achar graça e ver o lado positivo quando a tragédia/desgraça/calamidade/ acontece comigo e alguma outra pessoa, mas quando eu só comigo eu não consigo não rs.
    O livro parece ser legal...

    ResponderExcluir
  3. Minha filha leu este livro e gostou bastante. Tô me preparando para lê-lo, mas confesso que tenho um pouco de receio, me parece um livro sem sal. Talvez seja esse tal "jogo do contente". kkkkkk...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sal sim, Ari kkkk a sua maneira mas tem. :P

      Excluir
  4. Eu li na quinta série u.u agora deu vontade de reler

    ResponderExcluir
  5. Podem acreditar não li esse livro ainda, mas com certeza irei atrás dele ,porque achei demais. Eu quero.

    ResponderExcluir
  6. Uma vez eu estava na casa de uma amiga extremamente chateada com a minha mãe quando a mãe dessa minha amiga me entregou dois livros da Eleanor H. Porter todos dois sobre a Pollyanna. Ela me mandou ler e refletir. Realmente tem uma leitura que te faz refletir muito sobre suas atitudes e te faz se sentir meio tola por ficar chateada com coisas tão pequenas. Pollyanna foi uma leitura que me ajudou bastante em minha fase de adolescente.

    ResponderExcluir
  7. Olá Felipe!!
    Sou apaixonada por esse livro, li quando tinha uns 10 anos e a história me marcou demais, traz muitos ensinamentos.Lendo sua resenha me deu vontade de reler.

    ResponderExcluir
  8. Já li, é um dos meus livros prediletos :]

    ResponderExcluir

Não esqueça de dar sua opinião nesse espaço.Seu comentário é muito importante.
O QUE ACHOU DESSE POST?

Resenhas

Alien - Alan Dean Foster
A tripulação da nave Nostromo é despertada antes do tempo de seu sono criogênico. Misteriosos sinais vindos dos confins do espaço são recebidos pelo computador de bordo, e a equipe é acionada para...
Star Wars: Um Novo Amanhecer - John Jackson Miller
Desde os terríveis acontecimentos em STAR WARS - Episódio III: A vingança dos Sith, quando todos os Jedi foram perseguidos e condenados à morte, Kanan Jarrus tem...
Eu, Robô - Isaac Asimov
Eu, robô reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela...
Nosferatu - Joe Hill
ictoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa...

RESENHAS MAIS LIDAS

LEIA MAIS

Resenhas

Só por Hoje e para Sempre - Renato Russo
Entre abril e maio de 1993, Renato Russo passou vinte e nove dias internado numa clínica de reabilitação para dependentes químicos no Rio de Janeiro. Durante...
Espinho de Prata - Raymond E. Feist
Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, o mais jovem...
Roleta Russa - Jason Matthews
Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de...
A Desconhecida - Peter Swanson
Uma história sombria, em uma atmosfera romântica e um quê de Hitchcock, sobre um homem que fora arrastado para uma trama irresistível de paixão e assassinato quando um antigo amor reaparece em uma noite de...

MAIS LIDAS

LEIA MAIS